Quinta-feira, 5 de Junho de 2014

 

colado na porta de saída do bar, um pequeno aviso, recentemente impresso a times new roman (tamanho 20, bold), proibia os clientes de saírem com toda e qualquer espécie de vasilhame de vidro na sua posse. o azeite - que é dado a anexins lírico-romântico-anacrónicos - leu a mónita em silêncio, decifrando a custo e a cuspo os redondos vocábulos que, distorcidos, iam viajando através do ar carregado de fumo até junto da sua cabeça toldada por meia garrafa de talisker 10 anos. uma expressão de espanto e desamor tomou o lugar do que era, até então, apenas mais um rosto de cliente habitual ao balcão. e juro que, se puséssemos a mão em concha, atrás do ouvido, lhe escutaríamos o ganido:

 

- então e agora, sr jaime? como é que vou levar o meu coração para casa?

 

azeite

despesadiaria às 09:12
|

.Arquivo

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014