Segunda-feira, 8 de Setembro de 2014


Numa praceta do Lumiar, dois arrumadores encontram-se todas as quintas para um cozido num dos restaurantes locais. Neste ramo o período de almoço é um dos mais movimentados, pelo que só se sentam à mesa lá para as três da tarde. Começam por conversar sobre o trabalho, fazem, sem agenda, uma análise SWOT da actividade (Strengths, Weaknesses, Opportunities, and Threats). Um deles, por exemplo, decidiu deixar de indicar lugares demasiado evidentes por ter notado que criava no freguês uma animosidade desnecessária. Hoje é procurado por Mercedes e Jaguares, prova que optou bem. O outro é coxo, óbvia fraqueza que o impede de correr (um dos hard skills mais importantes da profissão), mas compensou com enorme sentido de posicionamento. Location, location, location, that's what this business is all about, costumam dizer aos jovens que se iniciam na carreira, assim mesmo, em inglês. Oportunidades e ameaças não faltam, claro. Estiveram entre os primeiros arrumadores do concelho a aproveitar os cortes nas carreiras da Carris, e a ocupar as zonas mais massacradas pela restruturação dos transportes públicos, mas a expansão da EMEL é uma espada de Dâmocles que paira em permanência. Têm feito o lobby possível, junto de associações de moradores e não falham uma reunião pública da Assembleia Municipal. Até ver o perigo parece controlado.

 

O trabalho é assunto que despacham rapidamente, e habitualmente falam do Sporting, de ciclos de cinema (o coxo é programador num cineclube em Loures), das mulheres, de mulheres, inevitavelmente de comida, bons restaurantes, onde se compra bom peixe, a tragédia do encerramento dos mercados da cidade. Uma hora e meia bem passada.

 

Por vezes, como nesta quinta-feira, aproveitam e reúnem com o contabilista. O exercício está a chegar ao fim e convém planear o fecho de contas com antecedência. O sistema único de pronto-pagamento não permite acréscimos de proveitos, mas é comum planear alguns diferimentos de custos para o ano seguinte: coletes, calçado, seguro de acidentes de trabalho, enfim, o habitual destas situações. O Técnico Oficial de Contas não traz boas notícias, no entanto. As gorjetas, recentementemente incluídas na categoria A2, passam a estar sujeitas a imposto de rendimento e contribuições para a Segurança Social. Ainda perguntam, mas isto está equiparado a gorjetas?, não pode ser donativo?, ao que o contabilista garante que o carácter de regularidade e a prestação de serviço que precede o rendimento o equipara à gorjeta. Então, mas não declaramos, se o problema é esse, não declaramos, mas são lembrados que não declarando o proveito, e com os actuais custos fixos, os resultados negativos teriam consequências no empréstimo bancário e nas contas caucionadas. Na melhor das hipóteses o spread disparava, na pior cancelavam o financiamento.

 

Decidiram que o melhor seria falar com o advogado no dia seguinte. À sexta, o restaurante mais acima serve um arroz de garoupa famoso em toda a zona norte da cidade, e teriam tempo para analisar outras hipóteses. Talvez fosse o momento de constituir uma cooperativa ou uma associação sem fins lucrativos. O contabilista concordou, pediram os cafés, três Ramos Pinto e a conta.

 

Gouveia

despesadiaria às 09:14
|

.Arquivo

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014