Quinta-feira, 11 de Setembro de 2014

 

Por vezes tomamos pequenas e irrelevantes decisões para as quais a prudência se revela fundamental. Talvez tenha sido essa consciência que me levou a tolerar o esquecimento das chaves de casa, depois de ter atravessado a cidade com as dificuldades do calor. Parei em frente às escadas, levei a mão ao bolso e, no instante em que me apercebi da imprudência, sorri e voltei à origem. Forçado a passar a hora do almoço numa esplanada, disposto a não projectar no mundo a fúria da minha própria frustração, ali me deixei ficar, vencido pelas temperaturas. A felicidade começa quando nos reconciliamos com a serendipidade do mundo. Quando crescemos, queremos crescer, paramos de nos divertir, tornamo-nos caprichosos e prudentes, em excesso, na direcção do ocaso que assim nos faz fatalistas. Só depois de renunciarmos a esta imposição da adultícia aproximar-nos-emos de uma felicidade antiga, menos infantil, mais livre. Porque é esse o momento da tolerância e da empatia, aquele em que deixamos de levar tudo muito a sério. Agora que reparo, começou a chover.

 

jorge c

despesadiaria às 08:28
|

.Arquivo

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014