Domingo, 28 de Setembro de 2014

 

no outro dia acusaram-me de ser, imagine-se, boa-pessoa. eu, pá. boa-pessoa, pá. há com cada maluco. não pense o amigo leitor que sou gajo de me ficar: só não estrangulei de imediato o autor de tal alarvidade porque sou um esteta e, admitamo-lo, o pouco jeito para o estrangulamento com que fui dotado não me permitiria executar a manobra com o efeito letal que, estou certo, todos desejaríamos. transformei a raiva toda num sorriso torpe e fui para casa, envergonhado por não ter resposta à altura, vencido no duelo do insulto. eu, que nunca fiz méritos para nada mais do que coisa alguma, acusado de bom-pessoismo. onde é que isto já se viu. eu, que nem pontuar uma frase em condições consigo consistentemente. eu, indivíduo cujo único objectivo na vida é sobreviver. sobreviver e não deixar passar o ponto ideal dos ovos mexidos, vá*. eu, pá. boa-pessoa, pá. boa-pessoa são os mortos e eu não morri nem espero morrer antes de vocês. 

 
* um dia, com mais calma, falamos desse ébola culinário que é deixar passar o ponto ideal dos ovos mexidos. 

 


um tal de joão gaspar

despesadiaria às 03:42
|

.Arquivo

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014