Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

 

uma ideia assaltou-o de repente. levou-lhe a carteira e o relógio. sim, ainda usava relógio. a vida moderna não era para ele. conhecia perfeitamente a convenção social de dormir, mas há muito que decidira não participar nela. os dias confundiam-se com as noites, com os dias, com as noites, com os já é tarde, com os nunca mais, com os para sempres, com os já agora. praguejava amiúde contra a juventude. de uma inutilidade consabida - tanto o praguejo como a juventude itself, mais as suas manias de usar expressões toscas em inglês, os seus iás e os seus iés, a sua pseudomodernidadezinha de quem por ter barba desleixada se acha muito coiso, e bebe gin tónico porque agora, sem saber da existência dos contos do mário henrique. os velhos e os novos. todos iguais, mais o azedume que os pariu. pagava para o tirarem deste filme, mas a ideia que o assaltou fugiu-lhe com a carteira e com o relógio. ficou sem trocos, sem horas e sem ideia, e percebeu que era tempo de pedir a conta e acabar o texto. 


um tal de joão gaspar 

despesadiaria às 07:32
|

.Arquivo

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014