Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2014

 

As coisas mudaram muito desde a última vez, bebé. Sim, as coisas, tudo. Estiveste demasiado tempo fora. Já não são as mesmas regras, os mesmos lugares, as mesmas pessoas, especialmente quando as pessoas ainda são as mesmas. Que é o caso de quase todas, embora algumas tenham mudado de cara. Desta vez vais ter de recorrer a outros métodos, fazer o mais difícil e enganar-lhes o faro. Só há uma coisa que não mudou: as pessoas, as antigas, as novas e as novas antigas, continuam a não ser cães, a precisar deles como guias.

 

Dos cães. Era uma piada. Pensando melhor, não, não era uma piada.

 

Isso não chega, já te conhecem. Vais bater contra uma parede de betão pré-figurado.

 

Já pensaste na possibilidade de recorrer à automutilação?

 

Vamos, deixa-te de dramas, não tem de ser nada permanente, irreparável, se partirmos daquele princípio estúpido, segundo o qual todos somos obrigados a viver, de que existe reparação, regresso, essas tretas. Simplificando, estou a falar de algo na categoria III de Walsh & Rosen. Menos que isso não te leva a lado nenhum, mas não é preciso exagerar. Ou seja, pensa mais na Princesa Diana do que em Édipo Rei.

 

Esta também não era uma piada, embora seja sempre belo quando hierarquias sem relação previsível se encontram ao virar da esquina. Os gregos antes do Alex eram uns chatos, deviam ser proibidos, a quantidade de problemas que ainda causam. Depois de expurgados os seus restos da imprensa cor-de-rosa, o mundo também o seria.

 

Cor-de-rosa. Monótono, portanto. Deixa lá.

 

Isso não sei, não sou especialista, mas não terás dificuldade em descobrir. Há qualidades que não se perdem… Bom, perdem, até porque nem tudo se transforma, mas tu não as terás perdido, se de facto ainda te sobra uma vida. Sabes com quem falar, noutros lugares, com outras regras. A outras horas. O que posso dizer é aquilo que já sabes sem saber acerca da salvação com minúscula, a única de que temos alguma notícia: podem prender-te a alma, mas jamais conseguirão prender-te o corpo.



E.

despesadiaria às 10:35
|

.Arquivo

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014