Sábado, 17 de Maio de 2014

 

essas ardentes vias, II

 

Ver para lá da obscenidade, que está lá e parece não estar, que se dissolve na fantasia. Daniel atirava esta ideia de Goncourt ao ar, apanhando-a primeiro com uma só mão e depois, mais convencido, com o corpo inteiro. Racionalizar o voyeurismo, beber rum Brugal, comer tomates recheados são tarefas para o corpo inteiro e cada gesto molda o pensamento; talvez Daniel nunca se lembrasse de Goncourt se não tivesse, por acaso, encontrado um álbum de pornografia tentacular que o lembrou d’ O sonho da mulher do pescador de Hokusai que o lembrou das palavras de Goncourt sobre as gravuras Shunga; talvez fosse o cheiro adocicado dos tomates ou as menos doces palavras da ruiva; talvez o Brugal que sempre o lembrava de parafilias, panamás e de professores de filosofia pederastas a pulular, com os seus fatos brancos e água-de-colónia francesa, nesse paraíso dominicano – luz, calor, e um ardor que começa e acaba com uma receita médica: “um comprimido antes de, e cuidadinho com o tomatal, amigo”.

 

(continua)

 

[]

despesadiaria às 11:19
|

.Arquivo

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014