Quinta-feira, 17 de Abril de 2014

 

idílios e pequenos delitos, VII

 

Lembro-me de roubar fruta com os meus amigos de infância. Partilhávamos, muitas vezes ainda verdes, os frutos destas aventuras temporãs. Nas aldeias – longe do Alfeu e de toda a geografia épica – estes pequenos feitos têm dimensões inesperadas; cagar no chapéu de um lavrador vizinho daria que falar, pensávamos nós, por muito tempo. Não deu e, segundo as crónicas, o lavrador vingou-se cortando várias bolas de capão com uma tesoura de podar. As tardes no campo são demasiado longas sem uma bola; A. levou uma cartuchada de sal no cu para recuperar uma e, apesar das marcas permanentes, ainda hoje diz que valeu a pena. Ele ia à baliza e aquele foi seu maior sucesso desportivo.

 

[]

despesadiaria às 11:14
|

.Arquivo

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014